Páginas

quarta-feira, 29 de junho de 2011



Hoje vi uma cena linda, que se passou entre uma mãe, grávida e uma filha de mais ou menos 5 anos.
Elas estavam sentadas aguardando atendimento em um consultório médico.
A menina segurava um cavalinho de pelúcia e "conversava" com ele a respeito do irmão. (a mãe fazia a voz, claro).
- Você vai ter um irmãozinho?
- Vou.
- E você quer ter um irmãozinho?
- Eu queria que fosse menina, mas é menino...
- Como você sabe que vai ser um menino?
- Mamãe foi no médico e ele disse que é menino...
- Mas Papai do céu quis que seu irmãozinho fosse menino, isso é legal!
- Mas podia ser uma menininha...
- Mas vocês vão brincar juntos, e você vai poder fazer carinho nele.
- Certo, mas não quero que ele mexa nos meus brinquedos.
- Ah tá, mas ele vai ter os brinquedos dele também e vocês podem trocar de vez em quando. E vocês vão poder assistir desenhos juntos.
- Tá bem, mas não pode assistir desenho a noite, porque é hora de dormir.
- É mesmo, a noite é hora de dormir... Vê só, se o seu irmãozinho vai ser menino, ele não vai usar o seus batons.
- É, meus batons vão ficar só pra mim...


Achei a cena uma graça! Pena que tive que sair e não pude acompanhar o desenrolar da conversa.
Fiquei pensando em quantos ais dedicam hoje em dia esse tipo de atenção aos seus filhos, ou qualquer outro tipo.
A realidade é que o diálogo entre as famílias se faz cada vez mais escasso...


O que estamos fazendo para mudar isso?


A simplicidade de uma conversa entre mãe e filha me encantou. Isso fez eu me desligar dos pensamentos que ocupavam minha mente e tornou meu dia mais doce.