Páginas

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Obsevações de Marina

Marina estava sentada, parada, a observar as pessoas que passavam ao seu redor.
Algumas pasavam apressadas, preocupadas, outras passavam distraídas, como se estivessem alheias à vida. Outras conversavam, riam, a compartilhar o que a vida lhes trazia.
Ela percebeu que havia um rapaz que lembrava um nerd de seriado americano. Parecia invisível, apenas mais um sem ser notado em meio à multidão. Seguia sozinho, focado em seus pensamentos. Não parecia feliz, nem infeliz...
Havia um menino, Marina achava que ele devia ter por volta dos seus 9 ou 10 anos. Ele observava atentamente um grupo de jovens que estava a jogar dominó. Parecia hipnotizado, mas logo, em sua inquietude juvenil, achou algo melhor para fazer e se foi...
Uma moça passou distraída, com a mão no bolso da calça jeans, parecia que estava a pensar nas estrelas, interessante é que Marina já não conseguia mais lembrar do seu rosto. A impressão que tinha era a de que aquela era mais uma jovem sonhadora...
Um rapaz passou a contar suas moedas. Estava apressado, como se o tempo fosse sempre traiçoeiro com ele, ou então ele usava isso para esconder o que realmente o afligia...
Nesse mesmo instante, um grupo de amigos se encontrou e pôs-se a conversar animadamente. Parecia que não se viam há dias, e havia muito para ser dito ou descoberto.
Algumas pessoas observavam a TV. Algumas com curiosidade, algumas com indignação. Por que? Pensou Marina... Algumas vezes aquela caixa preta não fazia sentido nenhum para ela. Apenas controlava o pensamento de algumas pessoas, que de certa forma, já não tinham muito o que pensar...
Na livraria, pessoas observavam distraidamente os livros, mais por realmente não terem o que fazer do que para realmente buscarem uma forma real de se preencher... Vai entender o que se passa nas cabeças dessa gente...
Ela viu pessoas a comer, a fumar, a nada fazer, e viu que poucas daquelas pessoas realmente pensavam. Elas apenas viviam as suas vidinhas corriqueiramente, sem sequer imaginar o que a vida poderia lhes trazer...

Marina Castro